Solidaridad con el pueblo Venezolano – Contra todas las formas imperiales, y más los yankis!

Fonte: http://federacionanarquistauruguaya.com.uy/

No ha bastado un premio nobel de la paz ni las más artificiales aristas populistas para tapar o apenas maquillar el rostro aguerrido e incesante del imperialismo norteamericano. Obama, el hombre de la paz, no deja puerta entre abierta ni deja de prestar atención en América. La multifocalidad de control y atención de Estados Unidos sobre lo que acontece en el mundo no permite escape aparente a gran escala, aún con la concentrada dedicación político militar en medio oriente, Rusia, China.

Ha sido declarada Venezuela como enemiga de Estados Unidos mediante un decreto del propio Obama. Muchas preguntas surgirán buscando la retórica sobre cómo ese gobierno que ha incrustado su historia en guerras contra pueblos en todas partes del mundo, pueda cuestionar y salir como garante de un proceso de diálogo y todavía con el gobierno colombiano de aliado.

Claro que interesa el petróleo y la cuenca del Orinoco, claro que interesa mucho para norte américa controlar las nuevas alianzas que se tejen en el caribe con subsidios para países que el gobierno venezolano quiere promover como nuevos aliados comerciales. Claro que interesa todo lo que pueda significar un agotamiento de los recursos energéticos de China. Pero para llegar a eso se deben de nutrir de varias acciones. Acciones que van a orientarse hacia donde tienen los peores problemas: el campo de lo ideológico.

Lo han hecho con sabotajes de todo tipo y conspiraciones de cualquier alcance. Poco asombraría cuando hablamos de la presencia norte americana en América del Sur este hecho con la gravedad que reviste, y aún menos en Venezuela que mantiene en memoria no sólo el secuestro al ex presidente Hugo Chávez de entintada huella yankee, sino todo un largo recorrido de intromisión mediante agregados diplomáticos, culturales y militares de todo tipo, fundaciones y ONG truchas bancando la oposición, y los etcéteras más conspirativos y asesinos que estas historias ameritan.

Todo pareciera indicar que en esta etapa se han enriquecido mucho más las relaciones y acciones entre la derecha latinoamericana y EEUU. Hablamos de la derecha rancia latifundista y apoderada de los medios de comunicación; la derecha que no tolera ni permite el avance en materia de derechos humanos, la que inviste de impunidad todos los territorios en pasado y presente. Los aterrizadores de lo que fuera el neoliberalismo de comienzos de los años 90, son ellos los que crítican y buscan exterminar las asistencias sociales, las ínfimas políticas de atención en salud, la continuidad ultranza de las privatizaciones en su versión más radical. A ellos los ha tocado bastante la ley de medios en Argentina y la detención de los torturadores y genocidas del plan cóndor. A ellos les molesta y muchísimo las detracciones en la producción agropecuaria, que les toquen un solo centésimo aunque acumulen millones por día.

Y allí como si nada y sin recoger piolines sobre su pasado reciente y bien recordado Obama, el ejecutivo norte americano, no solo declara enemigo a Venezuela sino que se ofrece como garante a las negociaciones. Esas negociaciones entre partes del gobierno y la derecha de ribetes golpista y con observadores como EEUU y Colombia. No buscarán otra cosa que adelantar las elecciones nacionales o habilitar algún mecanismo desestabilizador, coleteo mediante y constante de los servicios de inteligencia CIA. Nada le vendrá mejor que intervenir desde allí, desde su propio seno donde la confrontación popular también sale a las calles.

Y hay algo que EEUU no quiere, y no es menor, hasta podríamos decir que es lo neurálgico del asunto en cuestión. ¿Sólo le interesa al poder de Obama una administración distinta del petróleo del Orinoco?, ¿Contra qué y quiénes deberá dar la batalla última y definitiva?. La preocupación sin duda desde el ángulo ideológico es la resistencia a la total dependencia yanqui que significan los diferentes bloques políticos formados en esta área. Bloques que aún desde una misma estructura capitalista quieren más independencia respecto a los yanquis. Eso es lo que precisamente molesta al gobierno de la Casa Blanca de Washington. Quieren disponer de su patio trasero a su antojo y en coherencia con su estrategia de gendarme mundial y de disponer de las riquezas de estos lugares sin resistencia de sus subordinados.

No podrán mientras el pueblo reivindique su soberanía y autodeterminación. Soberanía que no admite espacio para la ingerencia asesina de la historia negra de la CIA y las políticas imperiales norteamericanas. No hay lugar para ello con un pueblo fuerte, empoderado, con memoria. No hay sitio para la conformidad y sí para la resistencia. Así lo indican los medidores de opinión que hasta los que más se corresponden con CNN, New York, y Washington indican que existiría un rechazo casi total, unánime, en la población venezolana a una intervención colonialista norteamericana. Algo hay allí, algo se ha producido que se puede ver, algo ha dado contenido a tanto tiempo de opresión y saqueo.

Porque es un enemigo claro el imperialismo norteamericano, el que recuerdan nuestros pueblos desde la memoria inmediata hasta las anteriores. Y es bastante lo que en estos momentos se sale a defender en Venezuela, aunque las más rotundas críticas puedan decir que se trata de un puñado, un manojo de conquistas populares, a fuerza sí del movimiento popular. Ellas también en clave de empoderamiento de los de abajo y en los barrios obreros.

Basta de intervención norteamericana en América!.

Contra todo imperialismo, y más el norteamericano!.

Por procesos populares que apunten desde abajo a la construcción de un pueblo fuerte!.

Arriba los que luchan!!

federación Anarquista uruguaya

Adesão da FAG/CAB ao 1º Congresso da Federação Anarquista de Rosário, Argentina

11138548_788317664556422_1216947685277053621_n

Companheiros e companheiras da FAR,

É com alegria que viemos através desta mensagem saudar e nos solidarizar com esse importante momento para o anarquismo argentino e internacional. Há anos temos acompanhado as inúmeras lutas do povo argentino e o subterrâneo e vigoroso desenvolvimento de uma linha classista e libertária desde as bases, em meio ao povo e seus anseios, por parte expressiva do território argentino. Práticas que guardam uma importante influência e incomparável estímulo de um anarquismo de combate e intransigentemente classista do qual a jovem Federação Anarquista de Rosário (FAR) é uma importante referência.

O tenaz trabalho promovido ao longo dos anos pelos companheiros que hoje consumam a FAR acumulou importantes experiências de luta e organização em um primeiro momento na FACA e logo na Columna Anarquista Joaquim Penina. Trilhando um caminho pedregoso, difícil e por vezes hostil, os companheiros seguiram firmes e não se renderam as tentações de eleger as vias pretensamente mais fáceis que inevitavelmente acabam nos levando ao lodo da conciliação como temos presenciado em diversas experiências, muitas das quais com nobres origens.

O caminho eleito pelos companheiros, para além da digna reafirmação de nossa histórica cultura classista e de ação direta, foi o a via da formulação de um projeto estratégico inevitavelmente de longo prazo. Planejar e sistematizar idéias guia para levar a cabo uma luta que não termina logo ali e que sabemos, apresenta infinitas variáveis, nos impedindo de ter uma resposta pronta e acabada aos problemas que tocam a construção do necessário processo revolucionário. Por sua vez, o caminho da organização específica é o caminho de um leito seguro, onde refletimos e planejamos conjuntamente, onde acumulamos um recipiente de experiências e nos fortalecemos com o rigor de nossa ideologia e análise. É, portanto, nosso porto seguro para a formulação estratégica, tanto quanto para o desenvolvimento dos necessários reflexos para atuar em tempos nervosos que, por vezes, nos tomam por “surpresa”. Um caminho que exige frieza, capacidade de analisar rigorosamente nossas respectivas formações sociais, as permanentes transformações no sistema de dominação que é o capitalismo, a sensibilidade para interpretar as devidas subjetividades e anseios que tocam o cotidiano de nossa classe e a partir daí elaborar hipóteses. Um trabalho que exige um adequado esforço teórico mas que jamais deve prescindir do devido enraizamento nos espaços de trabalho e sociabilidade dos de baixo. Trata-se de um processo interdependente que requer um exaustivo esforço para que sejam devidamente balanceados e acumulem estrategicamente. Um processo que requer certezas ideológicas e dúvidas filosóficas como diria nosso velho Malatesta.

Confiamos na capacidade e disposição dos companheiros em levar a cabo essa árdua tarefa, aportando dia-a-dia nas diversas frentes de luta seu grão de areia para o desenvolvimento das lutas e organizações dos de baixo, para uma necessária acumulação de forças nos marcos de um projeto estratégico de ruptura revolucionária e na busca por reafirmar o anarquismo como potente força de combate e organização de nossa classe. A resgatar o nobre legado das sociedades de resistência, da patagônia rebelde, de nossos mártires de Ushuaia aos nossos queridos companheiros desaparecidos da Resistência Libertária. Uma linhagem histórica a se resguardar e defender em cada peleia, em cada debate estratégico! Assim, um novo ciclo começa a germinar com o acúmulo da experiência brasileira através da CAB, a importante experiência e legado da FAU e agora uma nova afirmação de combate libertário com os compas da FAR. Agora, no sul da América Latina temos outra   Organização política para chamar de Co-Hermana! Junto a isso, muitas são as informações e contatos que nos chegam de companheiros anarquistas promovendo luta e organização entre o povo, acumulando experiências e promovendo ensaios de organizações anarquistas. Inúmeras possibilidades se apresentam a todos nós e os trabalhos são enormes. A arregaçar as mangas e nos atirar à essa imprescindível tarefa, portanto, é algo imprescindível.

Para além da alegria que nos contagia com esse importante acontecimento, manifestamos, por outro lado, uma tristeza por não poder estarmos presentes nesse importante momento, para abraçar cada companheiro e cerrar firme nossos punhos para afirmar nosso projeto especifista ao únissimo grito que nunca há de nos separar:

ARRIBA LOS QUE LUCHAN!

Federação Anarquista Gaúcha – FAG

Integrante da Coordenação Anarquista Brasileira – CAB

1º de abril de 1964, a data que não podemos esquecer e a ideologia que seguimos combatendo

Logo Opinião

Fazer memória ao golpe militar levado a efeito em 1º de abril de 1964 com o amplo apoio das elites e do empresariado nacional e internacional é dever de todo campo da esquerda que se reivindica combativa e, especialmente, do Anarquismo organizado que desde os primórdios tem estampado no alto da sua bandeira a luta contra todas as formas de opressão representadas pelo Estado, pelo capital e pelos lacaios de farda que lhes dão sustentação. Para além de fazer a denúncia e trazer a tona à memória da barbárie sem escrúpulos materializada nos sequestros, desaparecimentos forçados, torturas e assassinatos que se tornaram lugar comum durante os longos 21 anos de chumbo é fundamental que se aponte as heranças desse período. Heranças essas evidenciadas objetivamente no judiciário e nas ações militares das polícias que seguem fazendo da história fato presente através da criminalização da pobreza, do protesto, das perseguições às e aos que lutam, das torturas, dos assassinatos, dos indiciamentos sem provas, das condenações políticas, entre tantos outros fatos que fazem da memória histórica subsídio para pensar e atuar no presente.

Para nós é fundamental fazer memória as e aos que tombaram lutando contra o arbítrio e a opressão do Estado ditatorial, não apenas pela necessária lembrança e reconhecimento, mas também pela força que o elemento de luta e de resistência carrega em si. Se ontem foram eles que através da organização resistiam e lutavam contra a ditadura escancarada, hoje segue posto para nós seguir combatendo o Estado e suas heranças ditatoriais que mantém a gênese autoritária e opressora muito viva, mesmo escondida sob mal camuflada democracia. O Estado continua servindo como aparelho de classe para manutenção dos interesses dos “de cima”, da mesma elite podre que apoiou a ditadura. Longe de querer comparar o período ditatorial e a exceção permanente tornada regra com o cenário que vivemos hoje, é fundamental que a memória daqueles tempos tome lugar nos nossos debates e nas nossas lutas cotidianas. Essa atitude tem potencial efetivo para garantir acúmulo de forças para a luta dos “de baixo” e para que opressão – em todas as suas formas – tenha fim.

ditaduraw1181h827

É muito difundido entre amplos setores sociais o entendimento sobre o que representa e o que representou a ditadura empresarial-militar para a história do Brasil, bem como para a história dos países do cone sul. Contudo, muito devido à timidez de parte da esquerda em fazer essa denúncia, da dificuldade de criar espaços de difusão das memórias do período ditatorial e, principalmente, pela ausência de punição aos agentes da ditadura e aos seus cúmplices, que ainda pairam muitas dúvidas e desconhecimentos entre o grosso da população. As disputas que atravessam o tema da ditadura bem como as heranças daquele período que seguem presentes nos dias de hoje estão intimamente ligadas às práticas de esquecimento e à ausência do elemento de justiça na tríade composta por memória e verdade.

Se torna ineficiente tocar nesse tema apenas em datas pontuais. Os exemplos dos demais países que passaram por ditaduras nos ensinam desde há muito tempo que é a organização desde as ruas, sindicatos, escolas, locais de trabalho que impulsiona o debate social e que pode garantir a punição aos crimes cometidos pelos agentes e apoiadores da ditadura. Que em nossos atos e em nossas lutas se façam sempre presentes àquelas e àqueles que lutaram e em muitos casos entregaram suas vidas para que hoje pudéssemos falar, distribuir, ler e opinar sobre a covardia que é uma ditadura.

Ontem e hoje, seguir organizando, resistindo e lutando com os “de baixo”!

Arriba todas e todos os que lutaram e todas e todos que seguem lutando!

Pelo socialismo e pela liberdade!

Federação Anarquista Gaúcha – Integrante da Coordenação Anarquista Brasileira (CAB)