Greve dos Municipários de São Leopoldo continua!

11052526_852144991530155_22363086527835895_nOs municipários de São Leopoldo seguem em greve! Iniciada em 03/06 pela Educação e somada com as demais categorias como Saúde, Segurança e Assistência Social no dia 11/06, rechaçamos a política de sucateamento e precarização do governo Aníbal Moacir (PSDB) expressa na falta de resposta do dissídio (data-base em abril e o retorno de aumento de “0%”), atraso e parcelamento de salários e os constantes cortes aos setores de trabalho que reflete em péssimas condições de trabalho e na situação do trabalhador/a.

Seguimos mobilizando em cada local de trabalho, buscando possibilidades de diálogo com a gestão pública, informando a população sobre a situação da cidade e do serviço público. A expressão do movimento grevista mostra sua força nas grandes caminhadas realizadas na área central da cidade, e a culminância na aprovação da CPI das contas do município!

Esse avanço demonstra que o movimento cresce e pressiona a prefeitura a nos ouvir! Agora é hora de continuar avançando, para conquistar as pautas específicas e a pauta geral! Reajuste da inflação é lei, e por isso a greve é nossa obrigação! Devemos fechar o punho e mostrar que a força está na greve e no apoio da população a nossa luta!

Convidamos a todos/as os lutadores/as a se solidarizarem com a luta em São Leopoldo! Vamos mostrar que a nossa força é nas ruas! Quem manda na negociação é a nossa organização e nossa voz!

Dia 19/06, às 15h, tod@s à Prefeitura de São Leopoldo!

Arribas l@s que luchan!

É greve até a vitória!

O lugar das greves na experiência histórica da classe trabalhadora

Publicado originalmente em: http://www.passapalavra.info/2015/06/104862

É a atividade de resguardar a livre organização da classe trabalhadora e sua capacidade de (re)criação permanente que pode promover um novo sujeito coletivo e social. Por Edgard Silva*

Caminho áspero e penoso, mas único. Trabalhos, dores, duras batalhas até ao fato inicial, a destruição dos privilégios políticos e econômicos da burguesia; penosos esforços e árdua labuta depois, na laboriosa edificação de um mundo novo, e na luta constante contra os germens de uma possível degeneração.
Neno Vasco

greve_17Ao longo de sua história, a classe trabalhadora desenvolveu e aperfeiçoou inúmeros métodos de luta e organização para fazer frente aos desmandos dos patrões e do Estado. Marchas e demonstrações públicas, obstrução de vias públicas, ocupação de locais públicos ou privados, greves, dentre diversas outras criações imaginárias e autônomas que constituem uma trajetória de sonhos, esperanças, conquistas, vitórias e também de derrotas, de perdas de inestimáveis companheiros.

Entre todos estes métodos, a greve historicamente se destacou por seu peculiar dinamismo e capacidade de marcar uma ofensiva dos trabalhadores aos seus algozes. Por melhores salários e, sobretudo, por melhores condições de trabalho, especialmente pela redução da jornada de trabalho sem redução de salários, a classe trabalhadora desenvolveu uma rica experiência histórica que deve ser recorrida e resguardada por todos aqueles que acreditam na necessidade de sua emancipação do jugo dos opressores. Sob a bandeira de 8 horas de trabalho, 8 horas de lazer e 8 horas de descanso, a classe trabalhadora vivenciou suas mais memoráveis batalhas.

O criativo dinamismo que proporciona a greve é, sobretudo, sua capacidade de exigir da classe trabalhadora uma ação em conjunto, solidária e que seja capaz de se articular através de diversos métodos. Na greve temos a oportunidade de assumir nosso destino pelas nossas próprias mãos, sem confiá-lo aos “chefes” de turno, aos espíritos avarentos das estruturas de poder do Estado, das patronais e seus instrumentos de propaganda ideológica e produção de consensos: os grandes meios de comunicação. É no momento em que os trabalhadores param que, pela primeira vez, estes mesmos espíritos avarentos se dão conta de que sem o nosso suor podem ser reduzidos a sua insignificância histórica. Por isso sua fúria, sua ira descontrolada que procura nos atacar, intimidar e assediar das formas mais covardes e vis possíveis. Em linhas gerais, se encontram desesperados por verem as bases de seu velho mundo desrespeitadas. Nas greves os trabalhadores têm a oportunidade de deixar o rei nu!

A importância dos métodos de luta e organização

Todavia, as greves também são momentos em que nos deparamos com as limitações e as “misérias” que também habitam a classe. Na greve temos também de lidar com nossos colegas inseguros, seja por espírito vacilante, seja por excesso de assédios, abusos e falta de uma maior solidariedade do conjunto de seus companheiros de classe para com a sua situação.

Braços CruzadosAlém disso, não raramente, também há de se lidar com aqueles que, oriundos da classe trabalhadora, ao galgar postos em suas organizações, vão aburguesando seu espírito, adquirindo hábitos de verdadeiros “xerifes” do destino das reivindicações e anseios dos trabalhadores. Adquirindo privilégios econômicos ou não, a sedução que proporciona, o prestígio e a fama quando tocada em lideranças que condicionam suas ambições às suas próprias carreiras pessoais em detrimento de um projeto histórico, coletivo, de empoderamento e emancipação do vasto mundo dos de baixo, tende a criar profundas chagas em meio às lutas e organizações de classe. Desorganiza, despolitiza, desmoraliza; canaliza o caminho das lutas à gestão de seu pequeno grupo de confiança, ambicioso por manter-se ad eternum em seu posto de privilégio.

Prepara o caminho para a pior de todas as derrotas, aquela que nos desmoraliza: a derrota sem luta, no covarde e permanente recuo. É por este caminho, a partir do desenvolvimento de valores ideológicos, de sentimentos, perspectivas e horizontes que vai se desenvolvendo aquilo que conhecemos, tristemente, enquanto burocracia sindical e/ou partido.

Reagir ao desenvolvimento deste trágico fenômeno é, portanto, um caminho determinante àqueles que não titubeiam em destinar todas as suas energias à busca de um novo porvir, de justiça e igualdade, de socialismo e liberdade. Não se reage a esse fenômeno, portanto, sem o desenvolvimento da maior atividade possível para que o conjunto dos trabalhadores tomem em suas próprias mãos este projeto histórico. Que pensem e caminhem com suas próprias pernas à essa busca criativa. É, portanto, a atividade de resguardar a livre organização da classe trabalhadora e sua capacidade de (re)criação permanente que pode promover um novo sujeito coletivo e social, capaz de sepultar a injusta e odiosa sociedade que conhecemos. Embora toda sociabilidade humana seja marcada, em determinado grau, por relações de poder e “autoridade”, essa busca não passa pela atividade de chefes, sob pena de nascer intoxicada e, portanto, condicionada à morte mais ou menos lenta.

greveDaí resulta a implacável necessidade de sermos rigorosos com nossos métodos de luta e organização muito mais do que o somos em relação à administração e conduta das necessárias “negociações” que, ainda que contra nossa vontade, somos levados a ter com nossos algozes. Todo conflito termina com algum lado “negociando e cedendo”, a não ser que esteja posta a possibilidade de um aniquilamento estratégico de alguma das classes em pugna. Negar (ou insinuar que se esteja negando) a necessidade de negociação sem a perspectiva de uma vitória estratégica em nosso objetivo finalista é um tanto absurdo e sugeri-la não passa de devaneio ou, o que é mais recorrente, um artifício retórico para indicar que a força da classe trabalhadora reside não em sua capacidade de se colocar em movimento, golpeando de forma altiva seus algozes, mas sim na habilidade e no carisma de um pequeno grupo capaz de administrar a situação, de negociar de forma “consequente e responsável” as demandas coletivas, evitando assim toda sorte de “descontroles”, de uma explosão catártica de revolta daqueles que julgam controlar.

É com o brio de nossos métodos de luta e organização que somos capazes de impor medidas de força que sejam capazes de dobrar nossos inimigos e não apresentar ardilosas medidas que ingenuamente podem ser vistas como um recuo dos patrões e governos, quando do que se trata é de um sagaz movimento que vai para trás, para frente e para os lados, em suma, que nos convida a bailar em sua própria festa.

Com a força das ocupações, dos trancaços, piquetes e barricadas que encontramos a divisão crível para a devida definição de quem são nossos companheiros, nossos camaradas. São nestes métodos que residem a têmpera e a fibra de nossas greves e lutas, onde pulsa a forja de um porvir de socialismo e liberdade tal como se fortalecem os antídotos para as degenerações burocráticas que seguem pairando como trágica sombra obscura que conspira contra a derradeira vitória de nossa classe.

*Edgard Silva, militante da Federação Anarquista Gaúcha (FAG) e Resistência Popular.

INTERNACIONAL | Comunicado em apoio e solidariedade a luta do DAF na Turquia

Companheiras/os da DAF (Devrimci Anarşist Faaliyet / Ação Revolucionária Anarquista):

11427177_814975615223960_8812376936822750883_n

Queremos em primeiro lugar deixar chegar até vocês ,de maneira conjunta, nosso abraço fraterno de solidariedade com a causa do anarquismo turco comprometido com as lutas sociais e causas revolucionárias, que são as mesmas nossas causas. Em segundo lugar comemoramos e expressamos a nossa alegria que esses dois companheiros da DAF, que foram cruelmente presos pelo Estado turco, foram colocados finalmente em liberdade, sendo isso resultado da luta de rua de cada companheiro / a.

Queremos dizer-lhes que as nossas organizações seguem atentas e a postos para espalhar por todos os meios possíveis, os acontecimentos revolucionários no Curdistão ocidental e no quadro de solidariedade regional que eles criaram e, que estes enchergam vocês como protagonistas também neste processo, juntamente com outras organizações irmãs . Com profundo respeito, e sabendo que muitas vezes as distâncias impõem limites quando precisamos lançar ações de apoio a nossa causa como anarquistas, no entanto queremos fazer chegar até vocês toda a força e o apoio militante a seus esforços, não apenas por realçar a vizinha Rojava revolucionária, mas também pela tentativa cotidiana de construir uma alternativa anarquista na Turquia.

Desde já afirmamos toda a solidariedade a seus esforços, desde onde nos toca viver e atuar, aqui no sul do continente Latino Americano.

Viva a revolução de Rojava!
Viva a DAF!!!
Liberdade para Zeynep Celaliyan!
Arriba lxs que luchán!

FAU – Federación Anarquista Uruguaya (Uruguay)
FAG – Federação Anarquista Gaúcha (Río Grande do Sul, Brasil)
FAR – Federación Anarquista de Rosario (Rosario, Argentina)

Periferia do Vale do Gravataí se levanta contra o governo e o patrão

20304_1010062269005331_5515766845836631583_nA última semana foi marcada por focos de resistência que ganharam expressão local e estadual lutando contra o governo municipal e a máfia do transporte metropolitano. Nos referimos aqui, principalmente, a luta travada pela periferia em oposição ao fechamento arbitrário de Unidades Básicas de Saúde e ao piquete promovido na zona norte da cidade contra a empresa laranja de transporte metropolitano, a Transcal, que opera há alguns anos com nova razão social da mesma máfia que comanda o serviço há décadas na região do Vale do Gravataí.

No caso de Cachoeirinha, é importante registrar que em ambos os processos de luta popular, além da presença libertária, operam interesses escusos de forças políticas que são base de apoio do governo federal. Citamos aqui principalmente o PT e o PCdoB que almejam aprofundar o desgaste político do PSB que há quase uma década comanda a Prefeitura desde o racha do “irmão bastardo” Stédile, sendo Cachoeirinha a maior base do partido no Estado do RS. No entanto, sempre é bom ressaltar que, independente do jogo partidário, a luta popular e as suas respectivas pautas são completamente legítimas, embora a coligação que governa o município tente deslegitimar toda e qualquer resistência dos de baixo.

O desafio que sempre esteve na ordem do dia é o de garantir, além da independência de classe, a permanência e coordenação ao longo do tempo dessas expressões de resistência do povo em luta na região, pois há inúmeros processos que resultaram dispersos após a conquista da necessidade imediata. Isso sem falar na fragmentação por força da cooptação e da intimidação.

Entre esses processos de resistência temos exemplos recentes que vão desde a vitoriosa luta contra a privatização da água em 2010 reunindo diversos sujeitos e tendo na comunicação popular o catalisador da revolta; as ações diretas com algumas vitórias pontuais da Frente de Luta pelo Transporte Público nos anos de 2012, 2013 e 2014; a conquista da moradia pela comunidade Arinos de Gravataí em 2014 e as lutas pela água de diversas comunidades; a resistência dos trabalhadores municipários de Cachoeirinha por meio do sindicato da categoria, sendo a oposição política de mais expressão e estabilidade ao longo dos últimos sete anos.

Porém, longe de simplesmente contar histórias onde o anarquismo operou como motor desses processos de luta na região, queremos fazer memória dessa resistência para que, a partir da experiência política acumulada, possamos superar os limites que foram comuns a essas lutas. Até mesmo porque na atual conjuntura onde partidos com origem de esquerda e hoje estão no governo federal aplicando as medidas de ajuste fiscal, não representam alternativa de poder real para solucionar as demandas dos de baixo, pois o aparente engajamento e dedicação militante tem prazo de validade até a disputa eleitoral de 2016. Portanto, fazemos essa reflexão e análise para debate junto as companheiras e companheiros que constroem conosco no dia a dia a necessidade de engajamento para mudança e transformação desse sistema de dominação que em nossa região opera com algumas características singulares.

A luta da saúde é uma pauta comum dos usuários e trabalhadores do ramo

Nas últimas semanas em Cachoeirinha, a pauta da saúde tem sido protagonizada pela periferia que luta contra o fechamento e a reestruturação arbitrária das Unidades Básicas. A ação direta realizada em frente è prefeitura municipal e que ocupou por iniciativa popular o gabinete do chefe do poder executivo pra fazer pressão, rendeu no dia seguinte a promessa do Secretário de Saúde de manutenção das atividades dos postos sem cessar o atendimento. Vitória parcial do povo organizado. No entanto, o desafio neste momento é colocar em movimento usuários e trabalhadores do ramo, pois as ações antipopulares do governo municipal são apenas parte da estratégia de tratar o serviço de saúde como um negócio privado. Isso irá afetar tanto a comunidade quanto os trabalhadores do ramo, pois a lógica a ser implantada é a da meritocracia, do fazer mais com menos recursos e impor ao trabalhador a disputa competitiva sob o engodo da premiação por produtividade. Portanto, é urgente e necessário unificar os interesses dos trabalhadores e usuários numa perspectiva classista.

A luta pelo transporte público é das comunidades, dos estudantes e dos rodoviários

O piquete da última sexta-feira em frente à garagem da Transcal durou bravamente mais de cinco horas, inviabilizou a circulação dos ônibus na região metropolitana na região e ganhou repercussão em todo o Estado do RS. Foi uma experiência ímpar de enfrentamento direto com a patronal do transporte, tendo a comunidade como sujeito protagonista desse processo que enfrentou sem medo a intimidação truculenta da empresa e da Brigada Militar. Na pauta de reivindicações, para além da revolta em virtude da redução dos horários e mudança de itinerário de algumas linhas, incorporaram-se solidariamente demandas dos trabalhadores rodoviários que não são defendidas pelo sindicato metropolitano, tão pelego e mafioso quanto o da capital. Como conquista imediata obteve-se o retorno do itinerário comum da linha que circula pelo bairro Granja Esperança naquele mesmo dia. As demais pautas ficaram na promessa de serem atendidas pela empresa até a próxima semana, mas todos cientes da necessidade de manter a mobilização permanente para pressionar a Transcal no cumprimento dessas demandas. O cenário deste próximo mês torna imprescindível a necessidade de unificar a luta pelo transporte público desde as comunidades, dos estudantes e dos trabalhadores rodoviários, pois está anunciado o aumento das passagens de ônibus concomitante ao dissídio da categoria, tanto a nível municipal, quanto na região metropolitana. Sabemos que a empresa irá tentar justificar o aumento jogando trabalhadores contra usuários, portanto, essa experiência recente do piquete abre um precedente na luta pelo transporte público de aliança entre os distintos segmentos e que deve ser mantida a todo o custo.

A luta pela água é contra a privatização do saneamento

Como parte das lutas na região, as diversas mobilizações da comunidade no ano de 2014 em virtude da falta da água expuseram a precariedade dos serviços prestados pela CORSAN. Estivemos dentro desse processo, porém com uma linha firme de defesa do caráter público do serviço e contra a privatização: http://www.federacaoanarquistagaucha.org/?p=245

Naquela circunstância o prefeito Marco Alba já insinuava o rompimento do contrato com a CORSAN para abertura de licitação e privatização do saneamento. Nessa semana, porém, num cenário distinto em relação ao do ano passado onde vivemos um considerável descenso das diversas lutas na cidade, o prefeito do PMDB anunciou que fará o rompimento do contrato com a CORSAN. Está na ordem do dia, portanto, o movimento popular e sindical tomar parte dessa pauta sob o risco de sofrermos uma enorme derrota enquanto classe.

Potencializar a luta sindical para além do corporativismo e coordenar as lutas na região para fortalecer o poder dos de baixo

Diante do contexto de mobilizações nacionais contra as terceirizações (PL 4330) e o ajuste fiscal (MPs 664 e 665), que flexibiliza diversos direitos, como o seguro desemprego, a atual conjuntura torna-se ímpar para que as mobilizações locais ganhem amplitude e repercussão ao mesmo tempo em que serão fortalecidas. Nossa modesta força militante está atuante nesses processos de luta com uma linha e conduta coerente de fortalecimento do poder de baixo. Não trocamos nossa independência política por cargos e tampouco nos engajamos nas lutas com pretensões políticas-eleitorais. Nossa estratégia de mudança passa pela construção do Poder Popular que vem sendo gestado e criado a partir das experiências concretas acumuladas ao longo dos 20 anos que completa nossa organização. Está na hora de coordenamos as experiências de luta na região com critérios de independência, solidariedade de classe e protagonismo de base.

Todos à luta no dia 29 de Maio, contra a terceirização do PL 4330 e o ajuste fiscal das MPs 664 e 665!
Por uma coordenação das lutas na região para fecharmos o punho contra o inimigo de classe e superarmos a fragmentação!
Que a ofensa feita a um seja a luta de todos!

Federação Anarquista Gaúcha – FAG – Organização integrante da Coordenação Anarquista Brasileira (CAB)
20 anos (1995-2015)
24 de Maio de 2015

Adesão da FAG/CAB ao Ato de 1º de Maio da fAu

Salud hermanos y hermanas

Salud 1° de Mayo de los trabajadores del mundo

342970Nos encuentra de nuevo el acto de FAU, donde tomamos parte hace muchos años y brindamos resistencia y solidaridad entre nuestras luchas, palco para hacer com el corazón lleno, hincapie de nuestras convicciones libertarias del socialismo. Unidos a sus voces, venimos reclamar nuestros martires, de los libertarios y de toda la clase obrera internacional y junto de ellos a todos y todas compañeros reprimidos, juzgados, executados, desaparecidos por la infamia burguesa. Tods que lucharan y luchan con sus vidas y sus sueños, como decimos nosotros, los que no estan muertos porque peleamos y vamos seguir peleando, sin olvido y ni perdón a los verdugos.

El proceso social-histórico que estamos viviendo en Brasil brinda las coyunturas más peleadas que ha vivido nuestra generación, la generación del  anarquismo organizado brasilero que empieza por la segunda mitad de los 90. Nosotros construyemos organización política y reposicionamos la ideologia libertaria (com mucha modestia y llenos de limites) en las luchas sociales deste largo y ancho país entre el auge y la desgracia de un imaginario de isquierda que galvanizo una torrente de esperanzas de la gente.

Desde 2013 en el marco de las jornadas de junio va generandose una dinamica de luchas, rebeldias, juegos de poder, fragmentaciones y polarizaciones de arriba y de abajo, etc..  En el 2013 movilizaciones de masa donde tomam iniciativa grupos de isquierda independientes del gobierno haciendo causa con el tema muy sensible a los pobres del boleto del bus. Un punto de partida que hizo contexto de una profusión de temas y reclamos de la gente, de las calles. En 2014 por varias partes, pero con potencia sobretudo en el grueso sector de los trabajadores precarios y tercerizados, la emergencia de “huelgas selvajes” que avanzaran por arriba de los sindicatos carneros y la patronal. En 2015, al lado de una deterioración cada vez más aguda del sistema político y los partidos del gobierno, de ajuste fiscal sobre derechos laborales y servicios publicos, subida del costo de vida, viene paradoxalmente una reacción de masas capitalizada por derecha, como no se habia visto desde las previas del golpe de 64. Marcando rechazo a los politicos, alzando el antipetismo o reclamando el cambio de presidente, secundada por grupos perifericos ultra-reacionarios.

En los ultimos meses, los sindicatos han convocado resistencia al proyecto anti-obrero de las tercerizaciones para actividades-fin de las empresas, muy poco incorporado por las bases del mov. de los trabajadores, manejado sobretodo por el cima de las burocracias y por las tacticas de presión indirectas. Una ofensiva patronal sin precedentes esta en tramite en el congreso nacional brasilero y ha suscitado paros y movilizaciones gremiales em todo pais. Los industriales intentam defender sus ganancias en tiempos recesivos con brutales recortes en los derechos laborales. La tercerización, de ultima es la antiutopia de las “corporaciones de un solo”, tecnologias de control que sujetan los trabajadores a la vida precaria, jornadas estafantes, sueldos de mierda, nada de unión sindical y ni un solo derecho a reclamar de la patronal. La carne de cañon del ultrajante capitalismo flexible.

Bueno, y repasando brevemente esos sucesos, parece que toda una experiencia de luchas y esperanzas esta tocando el techo. Que determinadas formas de hacer política que embarcó una parte importante de la isquierda esta agotandose, em vias de saturación, produzindo inquietudes, desconfortos, recalques también por cierto. Todo parece indicar que estamos dando vuelta a una pagina de la historia recente del pais, proceso que no esta consumado todavia, pero que abre un escenario de indeterminación a todos.

La estabilidad de los ultimos veinte años, como discurso productor de sentido a las relaciones del sujeto con el gobierno y las instituciones, encuanto mecanismos de control de la vida social, pasa por una presión desestabilizadora. El derrotero del proyecto simbolizado por Lula y el PT ahogó este modelo. En principio fue refresco, factor operativo de un pacto de classes que articuló las dos puntas de la piramide social. Agora es el detonante. Que desmonta las expectativas que veniam por isquierda, e al integrarse a las estruturas del poder, lleva agua al molino de la derecha.

Lãs huellas culturales-ideologicas de todo esto proceso que muy brevemente apuntamos no es facil de medir, tiene mucha capilaridad. Muchos militantes del trabajo de base achicaran valores, alzaranse en el puesto de instituciones, converteranse ratos de aparato. Cuando mucho, los resistentes son solenemente ignorados e substituyedos por técnicos de gestión o funcionarios burocraticos de la maquina. Sindicatos y movimientos sociales cambiaran la independencia de la clase trabajadora por encargos y ministérios, hicieranse gestores de fondos de pensión, asesores corporativos e lineas auxiliares del gobiernismo.

El suporte de las ideas y los movimientos de la derecha correspondem, en buena dosis, a eso proceso histórico de desarticulación de fuerzas sociales que amargó el campo clasista. La colaboración de clases, la burocracia y el gobiernismo desarmaram las organizaciones sindicales y populares, dividiram las luchas y as engancharan al estado. Produziran en sus formas cotidianas una ideologia que reproduz las practicas de las instituciones burguesas, que hace del pueblo un sujeto que espera al que viene de arriba. Asisten de uns años pra cá el rebento de una nova generación, que no hace referencia en las organizaciones tradicionales, que no vivió aquellos sueños y esperanzas, que toma un lugar en las luchas y encarna los dramas del país en pleno gobierno del PT.

Nosotros no tenemos dudas que las jornadas de junio de 2013 pusieran la insatisfación social en las calles, y las huelgas e solidaridades que le sucederan deram lugar a improntas rebeldes con formaciones ideologicas que son irredutibles a las peleas de poder que hacen las elites dirigentes. Que estan en relieve praticas sociales de protesta y lucha que no confian en las reglas de las trampas oligarquicas, los lobis patronales, las transas entre partidos de la democracia burguesa, los variados expedientes de la normatización de la politica. Que tenemos un puesto en las calles, en las huelgas y ocupaciones para construyer con las organizaciones de base nucleos fuertes de poder popular.  Y como siempre predicamos, de abajo parriba, com federalismo y democracia de base criar fuerza social para cambios reales, que socializen la riqueza y el poder.

Antes que termine, no podemos dejar de hacer referencia al conflicto de los trabajadores de la educación em Paraná, que há generado comoción em todo el pais por la represión feroz que há desatado el gobierno del estado. Despues de um huelga de 29 dias al comienzo del año los trabajadores volvieran al paro desde el lunes ultimo a defenderse de los ataques a su jubilación. El gobierno de Beto Richa armo uma operación de guerra em contra estos educadores que no se resignam, lastimando más de 200 cros heridos por la policia y haciendo detenidos. Aqui también marcamos nuestra solidaridad.

Fuerte y solidario abrazo.

Náo tá morto quem peleia!

Arriba los que Luchan!

 

Ato Anarquista de 1º de Maio

20150503201618Realizamos no dia 30/04 nosso Ato Anarquista de 1º de Maio no Centro de Cultura Libertária da Azenha, CCL. Um momento de socializar linhas de análise da conjuntura e das lutas sindicais atuais, de fazer memória a data e de confraternizar com companheiros e companheiras de luta.

Abaixo compartilhamos a adesão da nossa irmã Federação Anarquista Uruguaia – FAU, o discurso de nossa Organização lido no Ato e algumas fotos.

Viva o 1º de Maio!

Viva a FAG e seus 20 anos!

Viva a CAB!

Viva a Anarquia!

Compañeras y compañeros de la FAG

Nosotros que somos su organización Hermana, la federación Anarquista uruguaya queremos dejarles un fuerte abrazo libertario de cara a las jornadas de lucha para el 1° de mayo. Una data mas que importante para nosotros, por lo histórico y político de aquellos hechos y por la continuidad ideológica de nuestras luchas obreras y populares, y nuestra cultura anarquista, libertaria.

20150503201739 (1)Vinieron muchos después, muchos y muchas luchadoras y luchadores, todos humildes y modestos en su aporte que ha significado el sostenimiento de una ideología y cultura de práctica, acción, resistencia. Ha sido la lucha desde abajo, con los de abajo lo que nos ha caracterizado. Y no nos lo han contado como una novela, es porque somos de abajo y sabemos que las conquistas han sido con sangre y lucha, que decimos que el anarquismo, el socialismo, la cultura libertaria en sí ha sido obra y creación de los pueblos oprimidos. No ha sido obra de laboratorio ni creación científica. Y allí también lo es. Año 2013 que marcó y viene definiendo una nueva etapa para nuestros hermanos de la FAG y la CAB. Sostenido en 2014, y se viene el 2015, y el 2016. Con los 20 años de la FAG y los 60 de la FAU!

Entonces va nuestro saludo solidario, va nuestro abrazo de resistencia y va nuestro puño en alto, nuestro pulso furioso señalando los 10 años del asesinato del compañero Nicolas Neira Alvarez de Colombia a manos de la policía asesina y el aparato represivo del estado, y la brutal represión, masacre que están viviendo los trabajadores y pueblo movilizado en Curitiba. Toda nuestra solidaridad para resistir esa bestial masacre en aquel pueblo Paranaense, sin dudas, sin titubeos. Con los 200 heridos y con todo el pueblo que está creciendo en organización y resistencia.

 Por un 1° de mayo clasista!

Toda la solidaridad con las luchas de Curitiba!

Arriba los 20 años de nuestra Hermana Federación Anarquista Gaúcha!

Arriba el poder Popular!!

Arriba los que luchan!!

federación Anarquista urugaya

Contra a trapaça político burguesa e o arrocho da vida dos trabalhadores

20150503201600O mal estar corre solto nas ruas do país. A recessão econômica e as amargas medidas do governo Dilma/PT a nível federal e Sartori/PMDB a nível estadual buscam salvar os lucros de banqueiros e empresários, cortando direitos, investimentos sociais e aumentando o custo de vida sob o farsante argumento de que o momento é de “sacrifício para todos”. Aliado a isso tudo, o cheiro podre da corrupção sistêmica impregnado no ar, em que se articula uma complexa constelação de interesses e “escândalos” que envolvem desde os partidos da coalizão governista como aqueles da oposição de direita, grandes empresas e banqueiros e os grandes conglomerados de comunicação.

Vida cara e precária. Arrocho nos trabalhadores.

A promessa do capitalismo brasileiro, que vinha crescendo pela mão de uma desapropriação violenta dos bens comuns, pela dominação dos capitais do agronegócio, mineradoras e empreiteiras, quebra a cara com a queda do preço das “commodities” e da desaceleração do capitalismo chinês. As idéias triunfalistas de um país de classe média, puxado pelo consumo e o endividamento de massas, pelos empregos precários e a inclusão dos pobres como sujeito flexível do mercado, mostram sua fragilidade e já entram em desencanto em amplas camadas de trabalhadores do país.

A classe operária vive de novo as demissões na indústria e na construção civil. Só no ramo de autopeças a patronal prega mais uma chantagem, exigindo infinitos incentivos fiscais e flexibilização de direitos, ameaçando em caso contrário com 30 mil demissões ao longo do ano. A falta de água e luz cria calamidade nas periferias urbanas e o preço das contas de energia, da alimentação e dos serviços aumentam mais que a renda dos trabalhadores. A mudança de regras do seguro-desemprego e do acesso a benefícios previdenciários (MP´s 664 e 665) corta direitos e coloca sobretudo uma classe trabalhadora jovem e localizada em empregos precários em uma situação de maior vulnerabilidade e risco.

Os impostos castigam o consumo dos setores populares e médios, enquanto aliviam os ricos, donos de empresas e grandes fortunas. Em contrapartida a saúde e a educação pública seguem sucateadas, o transporte coletivo é péssimo, a justiça criminaliza a pobreza, a polícia é racista e mortal nas vilas, favelas e subúrbios e o encarceramento em massa de pobres e negros entra em uma nova fase com a aprovação da redução da maioridade penal.

Os precarizados, a massa dos trabalhadores brasileiros, alçados como modelo do regime de trabalho flexível e super-explorador, sujeitos de uma rotina de pesados sacrifícios, dão sinais de cansaço e irritação. A patronal, não satisfeita com os inúmeros incentivos vindos dos governos, quer mais trabalho precário e pressiona o governo pela lei de terceirizações.

A insatisfação cresce por todos os lados e chega a transbordar para além das velhas estruturas, normas e regras que o sistema oferece para sua canalização. Insatisfação representada por um sentimento difuso que, entre outras coisas, expressa rebeldias que vem de baixo.

Terceirização: o grande ápice de um processo que leva 12 anos.  

20150503201110A ofensiva patronal sobre nossa classe atingiu seu ápice nas últimas semanas com a aprovação do PL 4330, a lei das terceirizações, na Câmara de Deputados que agora se direciona para votação no Senado para então ser sancionada ou vetada pela presidente Dilma.

Ancorados no embuste de “regulamentação dos trabalhadores terceirizados” e “modernização das relações trabalhistas”, a patronal em aliança com a corrupta e mafiosa burocracia da Força Sindical desdobra uma ardilosa operação política que visa, em realidade, fazer das terceirizações o novo paradigma das relações de emprego no país, sepultando de uma vez por todas a garantia de pleno emprego com direitos. Ao liberar a terceirização das “atividades-fim” esse modelo de precarização do trabalho afirma sua vitória política que vem sendo construída ao longo dos últimos anos, afirmando-se por sua vez, enquanto a maior derrota dos de baixo desde o golpe de Estado de 1964.

Ainda em 2003, o início do primeiro mandato de Lula apontava o verdadeiro projeto político em curso com a aprovação da reforma da previdência, então uma das principais ambições tucanas. A mesma reforma não teria sido possível sem a velha cantilena da “modernização” a qual não deixou de lado o covarde jogo de desenvolver um discurso que buscava opor trabalhadores do funcionalismo público com trabalhadores do setor privado, apresentando a “inevitável necessidade de podar os privilégios” dos primeiros para que pudessem ser garantidos os direitos dos segundos.

Desde então, os 12 anos de pacto social petista antes de terem sido capazes de reduzir os índices de desemprego, foram os anos de uma discreta e eficaz construção de um consenso social em torno da necessidade de precarizar as relações de trabalho. A grande massa de novos trabalhadores formais, em sua grande maioria jovens, que deixaram a incerteza do desemprego dos odiosos anos tucanos foi também aquela que se formou em condições de trabalho precário e sem direitos. Telemarketing, construção civil e terceirizações diversas foram o grande pulmão que alavancou os empregos nestes anos, colocando essa nova geração de trabalhadores em condições deploráveis de exploração, repressão sindical, excesso de jornada e ritmo de trabalho, salários rebaixados, acidentes e mortes, dentre outras mazelas.

20150503201655A fragmentação da classe trabalhadora e seu contínuo enfraquecimento organizativo foi, por sua vez, a principal trilha percorrida pelo projeto democrático popular encabeçado pelo PT desde meados da década de 1980. Para alcançar o executivo foi necessário a “acumulação de forças” nas estruturas políticas do Estado enraizando ai uma cultura política em que antes da luta autônoma de classe se ambicionava a aquisição de cargos no legislativo e nos executivos estaduais e municipais. Com a chegada do PT ao executivo esse processo deu um salto de qualidade e levou as grandes organizações de classe a uma simbiose com o Estado, sendo fiéis escudeiros do governo de turno e afirmando-se enquanto um grande estorvo à organização dos de baixo. Vista grossa à reforma da previdência e assinatura de acordos que flexibilizam direitos, rebaixam salários e demitem, foram e seguem sendo recursos cotidianos por parte da CUT, para citar um dos mais importantes exemplos.

Após 12 anos à frente da gestão do Estado, aproximadamente 30 anos de progressivo alinhamento ao mesmo e enfraquecimento da capacidade organizativa dos de baixo por parte do projeto encabeçado pelo PT, a patronal se viu em uma situação favorável para convocar sua bancada e seus aparelhos ideológicos, os grandes oligopólios da comunicação e seu Instituto Millenium, para desengavetar o Pl 4330 de autoria do industrial da alimentação e ex deputado Carlos Mabel/PL.

Ainda que tenham se colocado contrários a lei das terceirizações, o PT e as centrais governistas (CUT e CTB), que em realidade brigam pela regulamentação da terceirização às atividades meio e não a sua extinção, condicionaram o essencial de suas medidas em discursos parlamentares, promovendo poucas e limitadas iniciativas de mobilização. Medidas como a vã perspectiva de sensibilizar deputados, autoridades e a presidente Dilma, tem dado o tom da pretensa resistência que este campo pretende oferecer ao monstro por ele gestado.

A lei das terceirizações chega ao senado com relativo enfraquecimento dado a repercussão negativa de seu verdadeiro teor, mas, por sua vez, com importante capacidade de se efetivar dada a ausência de uma real capacidade organizativa das organizações de base em dar uma resposta concreta no curto prazo. Em que pese esse fator, as muitas lutas que tem se desenvolvido mostram uma real capacidade de acumularmos forças e tencionar na perspectiva de virar o jogo. Da greve dos operários de Jirau à exemplar resistência dos trabalhadores em educação no Paraná, passando pelas jornadas de junho de 2013, fica à todos nós a mensagem de que é nas bases, buscando fomentar sua organização e radicalização que podemos acumular forças e reorganizar o tecido social para dar batalha nos locais de trabalho, moradia e estudo para resistir ao pacto social que hora se degenera a aberta austeridade.

É preciso cerrar o punho para dar batalha intransigente a ofensiva dos de cima, estimulando desde cada local de trabalho, estudo e moradia iniciativas para debater e se mobilizar contra a redução da maioridade penal, o ajuste fiscal do governo dos governos estaduais e federal e o projeto das terceirizações em curso, não alimentando nenhuma sorte de ilusões de que as grandes direções sindicais possam apresentar medidas que sejam capazes de frear essa onda. Só com uma forte explosão de descontentamento e fúria popular, que fuja do controle das burocracias sindicais pelegas, mas também de toda sorte de burocracia radical que reproduz os vícios burocráticos de condicionar ao seu próprio desenvolvimento político partidário, e só com protagonismo de base é que conseguiremos apresentar uma real resistência a voracidade patronal rumo à construção de uma greve geral.

Em memória aos mártires de Chicago, continuar a luta por direitos e pela transformação social!

Em solidariedade à resistência dos trabalhadores do Paraná.

Por um 1º de Maio contra as burocracias e de combate aos ataques dos governos e dos patrões!

Criar um Povo Forte!

Pelo Socialismo e pela Liberdade, Viva a Anarquia!

Federação Anarquista Gaúcha – FAG/CAB

20 anos!!!

Solidaridad con el pueblo Venezolano – Contra todas las formas imperiales, y más los yankis!

Fonte: http://federacionanarquistauruguaya.com.uy/

No ha bastado un premio nobel de la paz ni las más artificiales aristas populistas para tapar o apenas maquillar el rostro aguerrido e incesante del imperialismo norteamericano. Obama, el hombre de la paz, no deja puerta entre abierta ni deja de prestar atención en América. La multifocalidad de control y atención de Estados Unidos sobre lo que acontece en el mundo no permite escape aparente a gran escala, aún con la concentrada dedicación político militar en medio oriente, Rusia, China.

Ha sido declarada Venezuela como enemiga de Estados Unidos mediante un decreto del propio Obama. Muchas preguntas surgirán buscando la retórica sobre cómo ese gobierno que ha incrustado su historia en guerras contra pueblos en todas partes del mundo, pueda cuestionar y salir como garante de un proceso de diálogo y todavía con el gobierno colombiano de aliado.

Claro que interesa el petróleo y la cuenca del Orinoco, claro que interesa mucho para norte américa controlar las nuevas alianzas que se tejen en el caribe con subsidios para países que el gobierno venezolano quiere promover como nuevos aliados comerciales. Claro que interesa todo lo que pueda significar un agotamiento de los recursos energéticos de China. Pero para llegar a eso se deben de nutrir de varias acciones. Acciones que van a orientarse hacia donde tienen los peores problemas: el campo de lo ideológico.

Lo han hecho con sabotajes de todo tipo y conspiraciones de cualquier alcance. Poco asombraría cuando hablamos de la presencia norte americana en América del Sur este hecho con la gravedad que reviste, y aún menos en Venezuela que mantiene en memoria no sólo el secuestro al ex presidente Hugo Chávez de entintada huella yankee, sino todo un largo recorrido de intromisión mediante agregados diplomáticos, culturales y militares de todo tipo, fundaciones y ONG truchas bancando la oposición, y los etcéteras más conspirativos y asesinos que estas historias ameritan.

Todo pareciera indicar que en esta etapa se han enriquecido mucho más las relaciones y acciones entre la derecha latinoamericana y EEUU. Hablamos de la derecha rancia latifundista y apoderada de los medios de comunicación; la derecha que no tolera ni permite el avance en materia de derechos humanos, la que inviste de impunidad todos los territorios en pasado y presente. Los aterrizadores de lo que fuera el neoliberalismo de comienzos de los años 90, son ellos los que crítican y buscan exterminar las asistencias sociales, las ínfimas políticas de atención en salud, la continuidad ultranza de las privatizaciones en su versión más radical. A ellos los ha tocado bastante la ley de medios en Argentina y la detención de los torturadores y genocidas del plan cóndor. A ellos les molesta y muchísimo las detracciones en la producción agropecuaria, que les toquen un solo centésimo aunque acumulen millones por día.

Y allí como si nada y sin recoger piolines sobre su pasado reciente y bien recordado Obama, el ejecutivo norte americano, no solo declara enemigo a Venezuela sino que se ofrece como garante a las negociaciones. Esas negociaciones entre partes del gobierno y la derecha de ribetes golpista y con observadores como EEUU y Colombia. No buscarán otra cosa que adelantar las elecciones nacionales o habilitar algún mecanismo desestabilizador, coleteo mediante y constante de los servicios de inteligencia CIA. Nada le vendrá mejor que intervenir desde allí, desde su propio seno donde la confrontación popular también sale a las calles.

Y hay algo que EEUU no quiere, y no es menor, hasta podríamos decir que es lo neurálgico del asunto en cuestión. ¿Sólo le interesa al poder de Obama una administración distinta del petróleo del Orinoco?, ¿Contra qué y quiénes deberá dar la batalla última y definitiva?. La preocupación sin duda desde el ángulo ideológico es la resistencia a la total dependencia yanqui que significan los diferentes bloques políticos formados en esta área. Bloques que aún desde una misma estructura capitalista quieren más independencia respecto a los yanquis. Eso es lo que precisamente molesta al gobierno de la Casa Blanca de Washington. Quieren disponer de su patio trasero a su antojo y en coherencia con su estrategia de gendarme mundial y de disponer de las riquezas de estos lugares sin resistencia de sus subordinados.

No podrán mientras el pueblo reivindique su soberanía y autodeterminación. Soberanía que no admite espacio para la ingerencia asesina de la historia negra de la CIA y las políticas imperiales norteamericanas. No hay lugar para ello con un pueblo fuerte, empoderado, con memoria. No hay sitio para la conformidad y sí para la resistencia. Así lo indican los medidores de opinión que hasta los que más se corresponden con CNN, New York, y Washington indican que existiría un rechazo casi total, unánime, en la población venezolana a una intervención colonialista norteamericana. Algo hay allí, algo se ha producido que se puede ver, algo ha dado contenido a tanto tiempo de opresión y saqueo.

Porque es un enemigo claro el imperialismo norteamericano, el que recuerdan nuestros pueblos desde la memoria inmediata hasta las anteriores. Y es bastante lo que en estos momentos se sale a defender en Venezuela, aunque las más rotundas críticas puedan decir que se trata de un puñado, un manojo de conquistas populares, a fuerza sí del movimiento popular. Ellas también en clave de empoderamiento de los de abajo y en los barrios obreros.

Basta de intervención norteamericana en América!.

Contra todo imperialismo, y más el norteamericano!.

Por procesos populares que apunten desde abajo a la construcción de un pueblo fuerte!.

Arriba los que luchan!!

federación Anarquista uruguaya

Adesão da FAG/CAB ao 1º Congresso da Federação Anarquista de Rosário, Argentina

11138548_788317664556422_1216947685277053621_n

Companheiros e companheiras da FAR,

É com alegria que viemos através desta mensagem saudar e nos solidarizar com esse importante momento para o anarquismo argentino e internacional. Há anos temos acompanhado as inúmeras lutas do povo argentino e o subterrâneo e vigoroso desenvolvimento de uma linha classista e libertária desde as bases, em meio ao povo e seus anseios, por parte expressiva do território argentino. Práticas que guardam uma importante influência e incomparável estímulo de um anarquismo de combate e intransigentemente classista do qual a jovem Federação Anarquista de Rosário (FAR) é uma importante referência.

O tenaz trabalho promovido ao longo dos anos pelos companheiros que hoje consumam a FAR acumulou importantes experiências de luta e organização em um primeiro momento na FACA e logo na Columna Anarquista Joaquim Penina. Trilhando um caminho pedregoso, difícil e por vezes hostil, os companheiros seguiram firmes e não se renderam as tentações de eleger as vias pretensamente mais fáceis que inevitavelmente acabam nos levando ao lodo da conciliação como temos presenciado em diversas experiências, muitas das quais com nobres origens.

O caminho eleito pelos companheiros, para além da digna reafirmação de nossa histórica cultura classista e de ação direta, foi o a via da formulação de um projeto estratégico inevitavelmente de longo prazo. Planejar e sistematizar idéias guia para levar a cabo uma luta que não termina logo ali e que sabemos, apresenta infinitas variáveis, nos impedindo de ter uma resposta pronta e acabada aos problemas que tocam a construção do necessário processo revolucionário. Por sua vez, o caminho da organização específica é o caminho de um leito seguro, onde refletimos e planejamos conjuntamente, onde acumulamos um recipiente de experiências e nos fortalecemos com o rigor de nossa ideologia e análise. É, portanto, nosso porto seguro para a formulação estratégica, tanto quanto para o desenvolvimento dos necessários reflexos para atuar em tempos nervosos que, por vezes, nos tomam por “surpresa”. Um caminho que exige frieza, capacidade de analisar rigorosamente nossas respectivas formações sociais, as permanentes transformações no sistema de dominação que é o capitalismo, a sensibilidade para interpretar as devidas subjetividades e anseios que tocam o cotidiano de nossa classe e a partir daí elaborar hipóteses. Um trabalho que exige um adequado esforço teórico mas que jamais deve prescindir do devido enraizamento nos espaços de trabalho e sociabilidade dos de baixo. Trata-se de um processo interdependente que requer um exaustivo esforço para que sejam devidamente balanceados e acumulem estrategicamente. Um processo que requer certezas ideológicas e dúvidas filosóficas como diria nosso velho Malatesta.

Confiamos na capacidade e disposição dos companheiros em levar a cabo essa árdua tarefa, aportando dia-a-dia nas diversas frentes de luta seu grão de areia para o desenvolvimento das lutas e organizações dos de baixo, para uma necessária acumulação de forças nos marcos de um projeto estratégico de ruptura revolucionária e na busca por reafirmar o anarquismo como potente força de combate e organização de nossa classe. A resgatar o nobre legado das sociedades de resistência, da patagônia rebelde, de nossos mártires de Ushuaia aos nossos queridos companheiros desaparecidos da Resistência Libertária. Uma linhagem histórica a se resguardar e defender em cada peleia, em cada debate estratégico! Assim, um novo ciclo começa a germinar com o acúmulo da experiência brasileira através da CAB, a importante experiência e legado da FAU e agora uma nova afirmação de combate libertário com os compas da FAR. Agora, no sul da América Latina temos outra   Organização política para chamar de Co-Hermana! Junto a isso, muitas são as informações e contatos que nos chegam de companheiros anarquistas promovendo luta e organização entre o povo, acumulando experiências e promovendo ensaios de organizações anarquistas. Inúmeras possibilidades se apresentam a todos nós e os trabalhos são enormes. A arregaçar as mangas e nos atirar à essa imprescindível tarefa, portanto, é algo imprescindível.

Para além da alegria que nos contagia com esse importante acontecimento, manifestamos, por outro lado, uma tristeza por não poder estarmos presentes nesse importante momento, para abraçar cada companheiro e cerrar firme nossos punhos para afirmar nosso projeto especifista ao únissimo grito que nunca há de nos separar:

ARRIBA LOS QUE LUCHAN!

Federação Anarquista Gaúcha – FAG

Integrante da Coordenação Anarquista Brasileira – CAB

1º de abril de 1964, a data que não podemos esquecer e a ideologia que seguimos combatendo

Logo Opinião

Fazer memória ao golpe militar levado a efeito em 1º de abril de 1964 com o amplo apoio das elites e do empresariado nacional e internacional é dever de todo campo da esquerda que se reivindica combativa e, especialmente, do Anarquismo organizado que desde os primórdios tem estampado no alto da sua bandeira a luta contra todas as formas de opressão representadas pelo Estado, pelo capital e pelos lacaios de farda que lhes dão sustentação. Para além de fazer a denúncia e trazer a tona à memória da barbárie sem escrúpulos materializada nos sequestros, desaparecimentos forçados, torturas e assassinatos que se tornaram lugar comum durante os longos 21 anos de chumbo é fundamental que se aponte as heranças desse período. Heranças essas evidenciadas objetivamente no judiciário e nas ações militares das polícias que seguem fazendo da história fato presente através da criminalização da pobreza, do protesto, das perseguições às e aos que lutam, das torturas, dos assassinatos, dos indiciamentos sem provas, das condenações políticas, entre tantos outros fatos que fazem da memória histórica subsídio para pensar e atuar no presente.

Para nós é fundamental fazer memória as e aos que tombaram lutando contra o arbítrio e a opressão do Estado ditatorial, não apenas pela necessária lembrança e reconhecimento, mas também pela força que o elemento de luta e de resistência carrega em si. Se ontem foram eles que através da organização resistiam e lutavam contra a ditadura escancarada, hoje segue posto para nós seguir combatendo o Estado e suas heranças ditatoriais que mantém a gênese autoritária e opressora muito viva, mesmo escondida sob mal camuflada democracia. O Estado continua servindo como aparelho de classe para manutenção dos interesses dos “de cima”, da mesma elite podre que apoiou a ditadura. Longe de querer comparar o período ditatorial e a exceção permanente tornada regra com o cenário que vivemos hoje, é fundamental que a memória daqueles tempos tome lugar nos nossos debates e nas nossas lutas cotidianas. Essa atitude tem potencial efetivo para garantir acúmulo de forças para a luta dos “de baixo” e para que opressão – em todas as suas formas – tenha fim.

ditaduraw1181h827

É muito difundido entre amplos setores sociais o entendimento sobre o que representa e o que representou a ditadura empresarial-militar para a história do Brasil, bem como para a história dos países do cone sul. Contudo, muito devido à timidez de parte da esquerda em fazer essa denúncia, da dificuldade de criar espaços de difusão das memórias do período ditatorial e, principalmente, pela ausência de punição aos agentes da ditadura e aos seus cúmplices, que ainda pairam muitas dúvidas e desconhecimentos entre o grosso da população. As disputas que atravessam o tema da ditadura bem como as heranças daquele período que seguem presentes nos dias de hoje estão intimamente ligadas às práticas de esquecimento e à ausência do elemento de justiça na tríade composta por memória e verdade.

Se torna ineficiente tocar nesse tema apenas em datas pontuais. Os exemplos dos demais países que passaram por ditaduras nos ensinam desde há muito tempo que é a organização desde as ruas, sindicatos, escolas, locais de trabalho que impulsiona o debate social e que pode garantir a punição aos crimes cometidos pelos agentes e apoiadores da ditadura. Que em nossos atos e em nossas lutas se façam sempre presentes àquelas e àqueles que lutaram e em muitos casos entregaram suas vidas para que hoje pudéssemos falar, distribuir, ler e opinar sobre a covardia que é uma ditadura.

Ontem e hoje, seguir organizando, resistindo e lutando com os “de baixo”!

Arriba todas e todos os que lutaram e todas e todos que seguem lutando!

Pelo socialismo e pela liberdade!

Federação Anarquista Gaúcha – Integrante da Coordenação Anarquista Brasileira (CAB)